sexta-feira, 19 de junho de 2015

De dar asco

Ontem (18/06), o viés totalitário e violento da Venezuela foi - ainda mais - esgarçado. Em visita à capital do país, Caracas, uma comitiva composta por senadores da oposição foi impedida de sair do aeroporto. Os senadores, entre eles o ex-candidato à presidência da República, Aécio Neves, planejavam se encontrar com líderes da oposição venezuelana que estão presos. Aos parlamentares foi disponibilizado um ônibus que os levaria do aeroporto à Ramo Verde, local em que Leopoldo López - principal líder da oposição venezuelana - está preso. No entanto, não foi o que aconteceu. Segundo os senadores, : "o ônibus foi sitiado e apedrejado por manifestantes (milicianos eu diria) pró-Maduro". Devido à falta de segurança, os senadores retornaram ao Brasil. O caso pode e deve se transformar numa crise diplomática, caso o Congresso Nacional não assine um atestado de frouxidão. 
Antes de julgar as motivações dos senadores, sendo elas oportunistas ou não, devemos nos atentar a gravidade do fato em si. Senadores da República Federativa do Brasil desembarcam em solo, teoricamente, amigo em missão oficial e em troca não recebem, sequer, condições mínimas de segurança por parte do governo venezuelano. Para piorar, não recebem o apoio institucional da Presidência da República. É, digamos, no mínimo, lamentável. O Congresso Nacional e, por conseguinte, seus membros, são uma instituição base da democracia  brasileira. O desrespeito diplomático a qualquer cidadão brasileiro é um ataque à integridade nacional. O que de dizer ao ultraje que os parlamentares sofreram em visita oficial?

Há situação só piora. Há alguns dias a presidente Dilma, em Bruxelas, durante a reunião entre a Celac e a UE, apontou o dedo diretamente aos EUA. As declarações de Dilma foram um recado oficial ao decreto americano que classifica a Venezuela como "ameaça incomum e extraordinária", impondo sanções ao país. Segundo a presidente, "Nós, países latino-americanos, não admitimos medidas unilaterais, golpistas e política de isolamento". Ao final, Dilma ainda acrescenta a cereja da sua hipócrita política externa com "Tais medidas são ineficazes e injustas". O governo petista defende e acoberta, oficialmente, uma ditadura. Uma ditadura que, agora, agride o Brasil como nação. É inaceitável a posição do governo brasileiro em relação à Venezuela. Principalmente após os acontecimentos de ontem.

Obviamente, o ganho político dos senadores brasileiros é enorme. Político não é bobo. Os parlamentares sabiam  o que iriam encontrar e foram dispostos a isso. Não há boa vontade, generosidade ou qualquer outra virtude no jogo político, somente interesses. Todos nós deveríamos entender que é assim que as coisas funcionam, especialmente em política. No entanto, um pseudo-oportunismo não justifica o fato. O governo de Maduro tratou o Brasil como qualquer. E se fossem senadores petistas? O tratamento seria outro. 

Por mais que a comitiva brasileira tivesse - e eu acredito que tinha mesmo - motivações puramente político-partidárias, há muito o que questionar na relação Brasil-Venezuela. O país tem tratados assinados com o Brasil que exigem o cumprimento dos trâmites democráticos para serem mantidos. É chegada a hora de rever tais acordos. É claro e notório que o país de Hugo Chavez deixou, há muito, de ser uma democracia. Além dos acordos e tratados, o Brasil, por meio do BNDES, envia gordas somas de dinheiro à Venezuela. Não há contrapartida do lado de lá? O Brasil é um anão diplomático? O Foro de S. Paulo pauta a política externa brasileira? A Venezuela é uma ditadura que caminha para o totalitarismo? Não há dúvidas! Os fatos não mentem. E o pior, o governo brasileiro patrocina, legitima e participa desta festa toda. É de dar asco, não!? 

Só mais uma coisa. Os comentários dos canalhas governistas e admiradores do PT são ainda mais asquerosos que a posição oficial do governo brasileiro. O que aconteceu ontem em Caracas não foi "manifestação legitima do povo venezuelano" ou "liberdade de expressão" como alguns blogueiros vermelhos até a alma disseram. Apedrejar e impedir o livre trânsito de pessoas até onde eu entendo é gravíssimo. Ah, me esqueço que a bússola moral dessa gente é completamente invertida. 

A comitiva de senadores no aeroporto de Caracas

Nenhum comentário:

Postar um comentário