segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Qual é a graça ?

  Começo este post com o link de um texto que gostei bastante e que serviu de reflexão para mim e de inspiração para que eu escrevesse esse texto.(ver aqui). Achei o texto bem instrutivo e serve de alerta para um problema recorrente na sociedade brasileira: o alcoolismo. 
   Está lá, Lei 9.294 - 15/07/1996. Há quase dezessete anos está previsto em lei a proibição da venda de qualquer bebida alcoólica a menores de 18 anos, mas - e agora parafraseando uma manchete de VEJA - menor e álcool, proibido, mas ninguém liga. E ninguém liga mesmo ! Mas não pretendo neste post salientar os motivos que levam a sociedade a esquecer que tal lei existe. Quero levantar o porquê de todos os adolescentes, todos mesmo, se sentirem obrigados ou tentados a beber. 
  Na primeira saída da vida, qual é o desejo do adolescente ? Beber e só ! Beber por beber. Lendo alguns depoimentos em revistas AQUI e por experiência própria fica comprovado que pessoas menores de 18 anos bebem não por gostar do gosto da bebida, mas pelo social. "Perco a vergonha". "Me sinto outro". "Só é descolado e popular quem bebe nas festas". Frases comuns que são ditas diariamente por jovens para justificar o consumo de álcool. O problema é que os números estão alarmantes. Segundo informações do Centro Brasileiro de informações sobre Drogas Psicotrópicas ( Cebrid) da Universidade de São Paulo, 21% dos jovens entrevistados se embebedaram no último mês e mais, segundo o Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Drogas a  possibilidade de um adolescente que bebe muito e regularmente se tornar um dependente é de 70%.
   Como dito, a coisa está feia. Ao que tudo indica, nós adolescentes, estamos todos carentes, depressivos,  envergonhados  e doidos  para  sermos algo que não somos. Estamos querendo nos mostrar maduros copiando dos adultos um vício e não uma virtude. Para termos "história pra contar", popularidade para esbanjar o que fazemos ? Nos  viciamos e ficamos doentes. Cerca de 6% de toda a bebida alcoólica que é consumida no Brasil é consumida por menores de 18 anos. E eu nem mencionei as inúmeras mortes por acidente de carro. Pais, governo, mídia e, principalmente, nós, jovens menores de 18 anos, devemos entender que não tem graça ficar bêbado para parecer "cool" diante da galera. Até porque, depois o "cool" vai embora e fica a culpa e a lembrança de vexames que você deu pensando estar abalando.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Vamos ser do contra !

  Um dia desses alguém falou assim: "Já viu que o João  é sempre do contra..." Na hora eu ri e nem falei nada ou pensei em nada. Todavia, mais tarde voltei a pensar no assunto. Não é que eu sou mesmo do contra ! Analisando brevemente algumas coisas e o que me disseram e dizem, chego a conclusão de que sou mesmo do contra. E com muito orgulho !
   "O homem superior é aquele que duvida. Eu prego o ceticismo, a dúvida, a interrogação." -  Alberto Dines
  A citação acima muito me agrada, não só pelo fato de ser um fã aberto do Dines, mas pelo seu conteúdo, pelo que ela transmite. Sou abertamente contrário ao conformismo, a aceitação sem a duvida. Acho que todos deveríamos nos perguntar, porquê ? Por que fazemos isto ou aquilo, por que acreditamos nisto ou naquilo. Coisinha simples que pode fazer você ser apenas mais 'um' ou ser 'um' a mais.
   É muito comum ao lermos um jornal ou qualquer coisa que consideremos importante, não questionar se aquilo é ou não do jeito que  está  sendo passado. A grande maioria não tem o hábito de olhar a coisa por outro ângulo ou de se  colocar no ângulo em questão. Sempre que vou ler alguma coisa em jornais já fico com um pé atrás, pois mesmo que não tenha a intenção de manipular sempre vai induzir. Considero a indução pior que a manipulação, porque a manipulação é abertamente manipuladora, é pesada e pronto, é mais fácil enxergar a manipulação. Já aquilo que induz é silencioso, sorrateiro, fazemos sem pensar, sem querer, quando vemos estamos compartilhando de pensamentos que não conhecemos e de caráter duvidoso.
   O problema maior não está nos meios ou nos veículos, mas nas pessoas que não aprendem a ser mais céticas. Acreditar em tudo ou concordar com tudo é bem mais fácil, não é !?
"Um país que aprende a ser cético, esse é o país capaz de ir pra frente." -  Alberto Dines
  É importante ressaltar que ser do contra ou questionador é bem diferente de ser chato por conveniência. Questione sim, mas não seja idiota, por favor !

domingo, 13 de janeiro de 2013

Não deixe 'orkutizar' !

  Por esses dias, um usuário ativo do facebook veio até mim e falou: " nossa, engraçado como o facebook é um espaço em que as pessoas só mostram o melhor delas. Todo mundo quer parecer legal, inteligente, informado, e ainda tem aqueles que querem mostrar que podem comprar várias coisas caras e legais."
  Depois fiquei pensando, não é que ele tem razão ! Fazendo uma breve análise da minha timeline no facebook, chego a conclusão de que o facebook é marketing pessoal e só. Mas aí vão dizer que o facebook tem muita utilidade. Pode-se encontrar pessoas desaparecidas, pode-se encontrar com amigos que não vê há muito tempo, pode-se protestar, pode-se organizar grupos de debate, pode-se isso tudo, mas também pode-se não fazer  nada disso e é isso que, pelo menos a maioria da minha timeline, está fazendo, ou seja, não fazendo nada. " Se por um lado fazem o facebook crescer, por outro, estragam tudo."
  Essas foram as palavras de Mark Zuckerbrg, criador do facebook. Zuckerberg não se refere exatamente ao modo de como, em geral, o brasileiro usa a rede social. Todavia, podemos levar essa frase para o lado comportamental sim. A maioria usa a rede a social como espaço de humor, brincadeira e para o marketing pessoal. Como o brasileiro gosta de se mostrar. É claro, porém, que isso não se aplica a todos os brasileiros que usam a rede social. Eu como usuário acho que ela e todas as suas ferramentas poderiam ser melhor aproveitadas pelos seus usuários. O facebook está  passando de ferramenta de mídia para veículo. Tem e terá uma grande importância na sociedade. Já estragamos o Orkut, será que vamos estragar também o Facebook ? E não, este não é um pensamento elitista que acha que rede social só pode ter gente cult e inteligente. Só acho que podemos fazê-la mais produtiva e por conseguinte nos tornamos menos idiotas. 
  Agora cai muito bem aquele jargão do facebook: fica a dica !

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

De simbiose a burrice generalizada.

  Bem, começo este post com um esclarecimento, já que nem todo mundo sabe exatamente a função do entretenimento. Entretenimento é por definição o ato de entreter. O entretenimento é qualquer ação ou atividade que tenha como objetivo entreter um público, ou seja, o ato de entreter sempre está ligado a busca de uma audiência. É importante destacar também, que o entretenimento não está ligado por definição ou essência a educação, instrução ou informação. Não é próprio do entretenimento educar, instruir, informar ou elucidar . Ao entretenimento é próprio o ato de entreter e nada mais. Acontece uma simbiose entre as funções e objetivos de cada termo, pois estão diretamente ligados ao ser humano e a sociedade como um todo. Dá-se também esta confusão de sentidos porque desde os primórdios o entretenimento é usado como forma de disseminar diferentes formas culturais. Portanto, tais funções foram e são atribuídas ao entretenimento pois ele sempre está ligado ao grande público e a movimentação de massa.

Agora que estamos devidamente esclarecidos, eu espero posso começar efetivamente o post.

  Hoje em dia, graças ao advento da internet, é muito comum notarmos correntes anti-Globo, anti-televisão e blá, blá, blá. O Facebook está enfestado de páginas que falam mal dos canais de televisão, de certos programas de entretenimento e de certos programas informativos. É fato, porém, que os canais de televisão pertencem a grupos empresarias e econômicos, deste modo, vão obedecer aos interesses comerciais, ideológicos, sociais e políticos de seus respectivos grupos. Isto é regra. E não acontece somente com a Globo ou com canais brasileiros, como disse, é regra, vai ocorrer em todo e qualquer canal, como a Warner Chanel, que pertence ao maior conglomerado de mídia do mundo, a TimeWarner. Dito isso, é bom destacar que toda essa reviravolta anti-televisão não aconteceu pelo fato de que os adolescentes do facebook começaram a ler livros como '1984' e 'Fahrenheit 451',mas porque foram induzidos a isso. Por quem ? Ora bolas, pela internet. Por trás de toda essa bandeira underground e mainstream da internet, que diz que todos que assistem televisão são alienados ou ignorantes,existe outro grande emaranhado comercial e econômico tão grande como os grupos econômicos que controlam os canais de televisão. Olha quem é alienado agora. Os números apontam que a televisão brasileira está em crise. Todos os canais de televisão perdem audiência a cada ano. A TV brasileira está batendo de frente com dois fortes inimigos, a internet, que já citei e a TV paga. Olha que irônico, a TV tão criticada, perdendo espaço para a TV. Acho que no caso da TV paga o termo mais adequado seja hipocrisia. Pois a TV tão criticada é a brasileira e não a americana, britânica ou etc... E neste ponto podemos levantar uma questão, o problema não necessariamente é a Globo ou a TV brasileira mas o nosso material cultural.
Li a seguinte frase no texto que foi o estopim para que eu escrevesse este post "mas mano, ninguém mais faz essa porra...só o México." Essa porra da qual falam no texto são novelas. Mas é claro que ninguém mais faz essa porra. Novelas são produtos culturais brasileiros, diga-se de passagem, o maior produto cultural brasileiro. As novelas estão para o Brasil assim como o cinema está para os EUA e os animes para o Japão. Esta gente que se diz não alienada vê filmes, ficam histéricos com season finale de série americana, mas novela é ruim porque é produto brasileiro e tudo que do Brasil é inferior. Assim como as séries e os filmes, novelas são produtos para o entretenimento de massa, todavia, algumas são instrutivas ou educam ou pelo menos carregam explícitas e implícitas mensagens culturais.
 Concordo, porém, quando dizem que a TV brasileira é ruim, pois ela é mesmo. A ;grande maioria dos produtos para o entretenimento são ruins e os produtos que deveriam informar e instruir tem, quase, sempre um caráter manipulador. Mas nem tudo é ruim, há exceções.
   E você que grita mundo a fora que não é alienado, que é mente aberta, que não assiste TV pense se realmente não é alienado ou manipulado, vai ver, você só é condicionado, pelo outro lado da moeda, a pensar que não é manipulado.