segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Retrospectiva, só que não.De conta gotas a balde de água fria...

É gente, hoje é o trecentésimo septuagésimo quinto dia do ano. 31 de dezembro. Lembro-me como se fosse hoje de um texto que li no dia 2 de janeiro deste finado ano. O texto que podem ler clicandoAQUI é do meu ilustríssimo ex-professor Leandro. Se fosse como um conta gotas estaria ótimo.O problema, é que foi como uma enxurrada, o jargão: 'o ano voou' nunca caiu tão bem. E no fim foi um balde de água fria. Mas que doeu como água fervente. Foi um ano interessante em muitos aspectos, não posso negar. Criei este espaço, me decide profissionalmente, conheci muitas pessoas, fiz muitas coisas das quais tiro ótimas lições, comecei a escrever para oCLARIM, enfim houveram muitas coisas boas. Então por qual motivo o saldo foi tão negativo ? Simples ! As coisas ruins que aconteceram foram muito maiores e fortes do que as boas. Não cabe neste espaço lamentações e muito menos confissões tristonhas, mas 2012 foi literalmente um ano  FAIL.
Lembro-me também de uma matéria que li num jornal local, ainda no finzinho de 2011.O colunista alertava para os perigos do ano do dragão - na mitologia chinesa 2012 foi o ano do dragão - segundo ele, seria um ano de transformações, que poderiam ser muito boas ou muito ruins e escabrosas. Quem me conhece sabe que sou bastante cético a tudo, tudo mesmo - é muito fácil simplesmente acreditar nas ;coisas - mas, não é que ;em muitas coisas o colunista estava certo.
O ponto alto desse despenhadeiro chamado 2012, foi o dia 15 de agosto. Em seguida tudo só piorou. Alguns vão entender a data, outros podem me perguntar se quiserem.
Acho que um dos melhores dias do ano foi 21 de dezembro. Por quê ? Porque o mundo não acabou, portanto, tenho a chance de fazer tudo diferente em 2013.
É com dizem,'das crises saem os vitoriosos'.Tá, isso soou como um livro de autoajuda.
  
  

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Facebook e seus revolucionários.

Meu  último  post  decente  foi  ESTE, onde  eu  acompanhei  de  perto  uma  manifestação  de  rua. Filmei, tirei  fotos, conversei  com  simpatizantes  e  membros  da  manifestação. Foi  uma  experiência  muito  válida, para  mim, que  penso em  me  tornar  jornalista. Acompanhando  a   manifestação  algumas  ideias  foram  surgindo   e  pipocando  em  minha  mente. Mas, duas  coisas  me  fizeram  pensar  muito  mais: as  redes  sociais  tem  um  poder  enorme, mas  são  fracas  e  as  pessoas, já  foram  mais  animadas.
 Primeiramente, é  importante  destacar  o  quão  grandiosas  são  as  redes  sociais, interações  de  qualquer  lugar  do  planeta   e  a  qualquer  momento. Todavia, quando  diz  respeito  ao  cunho  político-social  as   redes  sociais  não  são  assim  grandiosas. Não  quando  falamos  da  participação efetiva. Digo  isso  porque  a  manifestação  que  acompanhei   foi   organizada   pelo   facebook  e  no  facebook   haviam  mais  de  1000  pessoas   confirmando  presença  enquanto  que   na  própria  manifestação  o  número  não  deve  ter  chegado  a 100. É  como   eu  disse, as  redes  sociais  são  grandiosas, mas  fracas. O  que  eu  mais  vejo  em  meu  facebook  são  imagens  e  citações  onde  todos  se  afirmam  defensores   das  mais  variadas causas  possíveis. Vai  do  religioso  ao  ateu, do  político  ao  que  adora  postar  '4:20'. É  uma  verdadeira   avalanche  de  revolucionários. E  para quê ? Nada ! Não  passam  de  revolucionários  virtuais,  só  ficam  em  seus  perfis   postando  frases  de efeito  e  nada   mais. Na  realidade  não  são  nem  a  metade do  que  se afirmam  ser. Não  estou  aqui  defendendo  que  todo  mundo  deve  sair  às  ruas  e  protestar, fazer  baderna  e  etc... Mas,  deveriam   ser  um  pouco  mais  coesos. Em  contra  partida,   há  um  mundo de  pessoas  indo  as  ruas  para  coisas, que  para   mim, são  bem  menos  importantes.
  Acho  que  essa  deve  ser  uma  característica  da  população  brasileira. Olhem  para  nossos  hermanos  argentinos, 800  mil,  foi  o  número  de  pessoas  que  participaram  do  último  panelaço  contra  o  governo  Kirchiner. Enquanto   nós  reclamamos  da  corrupção   no  facebook. É,  já  fomos  mais  animados.
  O  objetivo  da  manifestação  que  acompanhei  era  protestar  contra  o aumento  da  passagem  de ônibus  que  foi  de 12%. Mas  não  deu  ninguém !  Parece  que  todo  mundo  está  conformado  e  acomodado  com  o  preço  que  não   condiz  com  o  serviço  prestado.
  Não  precisamos   de  revolucionários  doidos, mas  também  não  queremos  tolos  acomodados.

sábado, 22 de dezembro de 2012

SUMIÇO ...

Oi, como  vai  você  ?
Estou  meio  sumido  né  gente !?  Nessas   últimas  semanas  aconteceram  muitas  coisas  que  me forçaram  a ficar  um  pouco  afastado  daqui  na  verdade  eu  estava  com  medo  do  fim  do mundo DX.
Estou  lendo  alguns  livros,  muito  bons,  e ao  término  da  leitura   farei  comentários  sobre  eles  por  aqui, então,   esperem ! Ah, agora  eu  escrevo  lá  no  CLARIM   com  mais   dois   amigos  peço  que  visitem, comentem  e  compartilhem  lá  também !  Já  que  o  mundo  não  acabou  é  vida  que segue...

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Manifestação contra o aumento da passagem !

Ontem, dia  12/12  ocorreu   em   Petrópolis  o  2º   ato  contra  o aumento  da   passagem  de  ônibus, que  teve  seu  valor  alterado  em  12%  pela  prefeitura  no  último  dia  4/12.
A  manifestação  organizada   pela  UJS  de  Petrópolis  teve  como  objetivo  reivindicar   uma  audiência   pública   com  a   câmara  dos   vereadores   para   que   o   decreto   municipal   seja  revogado. No   último  dia   7/12   outra   manifestação, organizada   pelo  mesmo  grupo, ocorreu  na   Praça da  Inconfidência  no  centro  de  Petrópolis.
Desta  vez,   os  manifestantes  se  organizaram   na   Praça D. Pedro  e  marcharam  em  direção  a   câmara  dos  vereadores. Após  chegarem  em  frente  a   câmara  os   manifestantes   anunciaram   que  iam  entrar  no   prédio. Dentro  do  prédio  os manifestantes  gritavam  palavras  de  ordem   e  exigiam  falar  com   o   vereador   Paulo Higor, presidente  da  casa. Depois   de   alguns   instantes     de  gritaria   a   polícia   foi   chamada   para   acalmar   os  manifestantes.  Negociada  a   entrada   de  alguns   manifestantes   na   sessão   plenária
os   vereadores   deram  seguimento   a   sessão     e  o  presidente  da  câmara   afirmou   que  falaria   com   os  manifestantes   assim   que   fosse finalizada  a   votação   da   pauta   do  dia. Todavia, foram   efetuadas   mais    de  quatro  suspensões  da   sessão. Após  uma  hora  e  meia  desde  que  haviam   entrado  no   prédio  da  câmara  os   manifestantes   recusaram-se  a  continuar   esperando  e   sem   obter   resposta  dos  vereadores   levantaram-se  e  cantando o  hino  nacional  deixaram  o  prédio. A  manifestação  continuou  do  lado  de  fora  da câmara.



Conversei   com   uma   simpatizante   que  participou   do ato  e que   por  motivos  óbvios  não  terá  seu  nome   divulgado. Ela  expôs   sua  opinião  acerca  da  manifestação  e   sobre   o  aumento   da  passagem.
Segundo ela, a  população  é  muito  cômoda   e   parece   não  se  importar  com  aquilo  que   acontece  na  cidade, para  ela, o  pequeno  número  de  pessoas  que  aderiram  a  manifestação  é  determinante  para   mostrar  o  quão   passiva  é  a  população  petropolitana. E  ela  ainda  acrescentou  que  se   as  pessoas   querem   mudanças  ou  melhorias  devem   se  doar   e  ressalta, mas  de   forma   pacífica   e   dentro  da   lei.



Segue mais  um vídeo  da  manifestação.
















quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Sinal vermelho para nós !

Há   4 meses  começava   a  ser   julgado  o  mensalão  ou  ação  penal  470, como  alguns  preferem. Era  óbvio  que  toda  a  grande  mídia  ficaria  em  cima, cobrando, especulando  e  elaborando  mil   e  uma  manchetes  e  especiais. Até  aí  tudo  dentro  do esperado. Entretanto, o julgamento  se  transformou  no acontecimento  do   ano. Em  todos  os  lugares  o  assunto  é  sempre  o mesmo: O  ministro  Joaquim  Barbosa. Isso  mesmo ! Não  foi  o  julgamento, suas  imputações, os  réus  ou  suas  penas, mas  a  postura  e  envergadura  do  ministro  relator.

Passados  4  meses, o   julgamento  está  em  sua  fase  final. Quem  tinha  que  ser  condenado  foi  e  quem  não  tinha  não  foi. Um  marco. Essa  é  a  palavra  que  melhor  se  adéqua  ao  julgamento. Pela  primeira  vez  a  sociedade  acompanhou  cada  frase  de  efeito  dos  ministros. Alguns    deles   foram  taxativos  e  não  pouparam  adjetivos  aos  réus. De  um  lado, Celso de Mello, Marco Aurélio,Gilmar Mendes, Luiz Fux  e Ayres Britto  sempre  enfáticos  como  o  relator, do  outro, Ricardo Lewandowski  e Dias Toffoli  eram  vistos  como  advogados  de  defesa  dentro  da  corte. No  fim, o  relator  levou  a  maioria  dos  embates  que  travou  em  plenário. Duvidar  da  capacidade  democrática  do  julgamento  só os  condenados  duvidam e, também, só  os  condenados  acusam  o  relator  de  julgar  politicamente. O  saldo   é   positivo. A mais  alta  corte   nunca  teve  tanta   repercussão, assim   como  o  ministro  relator, que  se  tornou  celebridade  instantânea   e  meme  de  rede  social.  Sinal  vermelho  para  nós !

 Se  acalmem, não  estou  chamando  Joaquim Barbosa  de  populista, muito  menos  de  político. Todavia, sinalizo   para   a  triste  tendência  do  brasileiro   em  sempre  correr   e   se  deitar  ao  colo  de   algum   líder,  herói, salvador  da   nação. Meia  duzia  de   medidas   trabalhistas   fizeram   de  Vargas, um ditador, um  dos  políticos  mais  adorados  de  todos  os  tempos. Jânio  não  fica  atrás  com  sua  política  que  transformava  palanque  em  circo. Brasileiro  não  aprende  mesmo. Adotamos  e  mimamos   Lula,  que  hoje  do  auto  de  sua  cadeira  de  "melhor  presidente  do  Brasil"  se  encontra  como   rei   do  povo. Ninguém  pode  atingir  o  homem  que  tirou  milhões  da  pobreza   com  o  bolsa  família. Se  a  imprensa  fala, ela  é  perseguidora, se  tem  acusações, são  falsas. Nada   o  atinge. Por  quê ? Porque  nós  deixamos, porque  nós  o  transformamos  nisto, porque  o  brasileiro  sempre  precisa  de  alguém  que  os  proteja. E  agora  de  novo.
Em  todas  das  muitas  enquetes  que  vi  pela  internet   a   resposta  era  sempre  a   mesma: o   super   Joaquim   seria   eleito  por  alguns  internautas  em  2014  como  presidente. No  facebook   vi  diversas  imagens  em  que  punham  o  ministro  como  presidente  do  Brasil  e  o  exaltavam  como  herói  da  nação. Novamente, nós, brasileiros  estamos  nos  curvando  diante  de  uma  figura   que  nós  transformamos   em  popular. Maldito   seja   o   populismo   que  há  muito  entranha   a   América  Latina. O  Brasil    mimou  e  amou  o  sindicalista   nordestino   que   se  tornou   presidente  e  agora   segue  a  mesma  formula  com  o   primeiro  negro  a   integrar   o  STF. Como   disse   antes, brasileiro  não  aprende   mesmo !

Quando  a  Liga  da  Justiça  estava  no  ápice   de  sua  popularidade  o  Superman, o  herói  mais  icônico  de  todos  os   tempos, matou  o  presidente  dos  EUA  e   eles  se transformaram   nos  Lordes  da  Justiça   controlando  tudo  ao  seu  redor. O  herói  virou  vilão.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Toda "modinha" é ruim ?

Há  poucos  dias  me  ocorreu  uma  coisa  besta. Estava  conversando  com  um amigo  e comentei  que havia  começado  a  assistir The Walking Dead, depois  de  ter  recebido  um  olhar do  tipo: MORRA, ele falou  que a  série  era  ruim, mas enfatizou,  mais  de  uma  vez,  que  era   ruim   porque  é  modinha. Não  dei  muita  bola e continuamos  a  conversar. Depois  fiquei  me  perguntando  se  realmente  se tratava  de  modinha  e  se  isso  interfere  na  qualidade  do  produto, série  ou  qualquer   outra  coisa. 

Primeiro, o   que   é   modinha ? A   grande   maioria    não  deve  saber, mas  modinha  é  um  estilo  musical  brasileiro. Agora, a  modinha  que  todos  nós  conhecemos  e  a  qual   citei  é totalmente  diferente. Modinha  é, de  uma  maneira  bem  resumida, aquilo  que  uma  grande  quantidade  de  pessoas  está  fazendo, comprando, assistindo, ouvindo   num   dado   período  de  tempo. Em  suma,  é   aquilo   que  é  de massa. Olhando   por   esse   lado,  The walking  dead  é  uma  baita  modinha. Mas  e  daí ?  Qual  o  problema  nisso ? Desde  que   não  altere  a  qualidade  do  produto  pouco  importa. E  não, The walking dead  não  é  ruim   só  porquê    se   tornou  modinha. A   série   é  boa   mesmo. Conflitos  familiares, reflexão sobre  a  morte, reflexão  sobre  viver  em   sociedade, reflexão  sobre  poder,   não  faltam  boas  reflexões  na    série  e, claro, muita  ação, a final, estamos  falando  de  uma  série  sobre  walkers  zumbis. Confesso  que  tive    receio  em   assistir, mas    liguei   o foda-se  e   fui    assistir. Me   surpreendi. A   série   era  boa. The walking dead  é   uma   modinha   que    não   teve   sua   qualidade   alterada  somente   pelo  fato   de  ser   modinha. E  muitas  outras   coisas    ditas   modinhas   são   assim,   por   exemplo:    vai  ter muita     gente   virando   fã   de  'Senhor os Anéis'   e  afins   por   causa   do   lançamento   de   'O Hobbit', mas   nem    por   isso  as   obras   de   Tolkien    são    ruins. A  Disney   comprou   Star  Wars, logo, o   próximo   filme  vai   ser  uma   droga, claro   que  não,  o   filme  ainda  nem   saiu. Acho  que  deu  pra    entender   o   que eu  quis  dizer,  né !?

As   pessoas   deveriam   parar   de  chamar   tudo   de  modinha   e   de  achar   que   tudo  é  ruim   porque    se  tornou   modinha. Esse  debate  acerca  das   modinhas  vai   de encontro    àquele   assunto  sobre   status   que   abordei   no  segundo  post   deste   blog. É  muito  chato  que  as  pessoas   critiquem   algo  sem   conhece-lo ou  que   achem   algo   ruim   somente   pelo   fato   de   milhões   de   outras   pessoas    estarem    curtindo   a   mesma   coisa   que   você. Todavia, existem   MUITAS   modinhas   que  realmente    são   ruins   e   merecem   todas   as  denominações   que   recebem.


*Antes  de  xingar  ou   chamar   alguma   coisa  de   modinha, que   tal, assisti-la  primeiro  ?  Depois  faça  o  que  quiser.


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Tô vivo !!!

Não, eu não  morri. Me ausentei nestas últimas semanas por  problemas  técnicos mentira, tava sem tempo, paciência e ideias. Mas  estou  de volta  para  a  alegria da  galera, ou  não  né !? 
Adianto que a imagem ao lado não é uma simples imagem   ilustrativa. Sem mais spoilers.
Ao fim desta semana (talvez antes) teremos posts novinhos.Não  saiam  daí...

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Regulação ou repressão ?

 Não é de hoje que vemos na TV,jornais e na própria web discussões sobre direitos,deveres e principalmente,sobre liberdade.Quem navega ativamente pela web deve se lembrar que no início deste ano fomos bombardeados com manifestações defendendo a liberdade na web.Tais manifestações se deram pelo fato da União Européia junto com EUA e muitos outros países,inclusive o Brasil,estarem propondo acordos internacionais,com caráter de lei,para controlar,sobretudo,a pirataria virtual e a violação de direitos autorais o conhecido 'Copyright ©'. Parece tudo muito complicado,mas com algumas pequenas siglas todos lembrarão da pequena "revolução" que se instaurou.Stop Online Pairacy Act ( SOPA),Protect IP Act ( PIPA).Com certeza uma dessas siglas você já ouviu falar e,quem sabe,até já compartilhou no facebook sem entender muito bem.Basicamente essas legislações são um tanto quanto perigosas,pois segundo consta nos textos,para tentar conter a violação de direitos autorais e por conseguinte a pirataria,seria necessário controla e analisar os fluxos de informação o que poderia significar um grave ataque a liberdade na web.Passado algum tempo da explosão de indignados virtuais órfãos do Megauploud tudo parece ter se acalmado.A crise econômica é um dos motivos dessa quietude.Contudo,no Brasil, nas últimas semanas  algo,em menor proporção,vem causando estranheza e receio para quem acessa diariamente a rede: O Marco Civil da Internet. 

  Todo país que vive num estado democrático de direito tem uma constituição que o rege.Aqui no Brasil a Constituição Federal de 1988 é o documento que regula,rege e delimita direitos e deveres.É o que está contido nela que irá nos dizer o que fazer e como vivermos em sociedade.Entretanto,essas mesmas diretrizes não são aplicadas,constitucionalmente,ao que fazemos na web.Espera-se que uma pessoa não vá ter atitudes anti-éticas,imorais e criminosas em sua vida e, obviamente,espera-se o mesmo com relação a internet.Infelizmente,não é isso que vem ocorrendo.Aproveitando-se das brechas constitucionais em relação a internet, criminosos vem cometendo os mais variados tipos de crimes em território virtual.
  O Marco Civil ainda não foi votado pela câmara dos deputados,mas na minha opinião é uma atitude muito válida.A internet,assim como os internautas,não estão imunes à ética e às leis.A internet é uma extensão da sociedade.Desse modo,não pode ser considerada terra de ninguém,ela não é anárquica.Quem "posta" tem que ter um mínimo de responsabilidade sobre o que está postando e sobre quem ele poderá eventualmente estar agredindo.Há cerca de um mês uma amiga próxima teve um perfil no facebook criado por terceiros.Essa conta está se comunicando com amigos e vem se passando por ela todo esse tempo.Fora do mundo virtual essa atitude seria interpretada como falsidade ideológica,violação do direito a privacidade e a mais crimes,dependendo do que o criminoso viesse fazer.
   Não sou um defensor ferrenho da causa,conheço seus pontos duvidosos,todavia,é uma iniciativa interessante a se pensar.Regulação não está necessariamente ligado a repressão e a ataques a librdade.Percebo que as pessoas tem um grande problema com regras e com aquilo que deve ser feito.O ideal de liberdade parece estar muito deturpado.
      Lembrem-se,liberdade e democracia não se resumem em fazer aquilo que der vontade.Direitos vêm acompanhados de deveres.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Status:idiotice e algo mais...

O Facebook é um lugar um tanto quanto engraçado, parece-me um amontoado de pessoas tentando mostrar para as outras como elas são inteligentes, bonitas, refinadas, chatas e cults. E para quê? Puro status virtual e satisfação do ego. E no meio de toda essa guerra para ver quem tem mais 'curtir' ou quem é mais compartilhado, entram os conflitos sobre: "aquilo que eu gosto é melhor do que aquilo que você gosta". E isso vem ocorrendo com uma frequência muito grande, em maior número pelos elitistas, parece que o Facebook se transformou num campo de batalha, por exemplo, entre os rockeiros de plantão e quem curti funk, tentando impor seus gostos musicais. E isso não se resume apenas a essa guerrinha, existe uma bipolarização entre aquilo que é cult e aquilo que é de massa. Contudo, o mais estranho é: essas pessoas realmente estão empenhadas em denegrir o que o outro gosta e por conseguinte, denegrir o individuo pelo fato dele gostar de algo que você não gosta.

Estamos numa sociedade capitalista e o nível de consumo está intimamente ligado a satisfação social e ao status, seja ele qual for. Basicamente, aquilo que eu compro tem que ser melhor do que aquilo que o outro compra e assim vivemos. E tudo isso segue uma sistemática elitista, aquilo é bom porque é visto, apreciado, por poucos.O exclusivismo a serviço do status.


O rock tem um caso de amor com o underground. Logo pensamos em subversão, movimentação social e de massa, revolução cultural, inconformismo e o famoso "faça você mesmo". Todas essas ideologias carregadas pelo rock e por seus subprodutos trouxeram um levante de esteriótipos que estavam combatendo esteriótipos. Em suma, aquilo que diziam lutar contra foi no que se transformaram, ícones populares, ferramentas da grande mídia, maquinas de fazer dinheiro e produtos do sistema que tanto criticaram. Com a era digital isso tudo chegou às redes sociais, que rapidamente aderiram a sistemática elitista.
O sistema não dá a mínima para o conformismo. Muito pelo contrário, o sistema triunfa e se constrói com base na busca pela individualidade de seus integrantes. Ao tentar criar um gosto distinto e refinado  para se escapar da cultura pop e das massas, está se justamente alimentando o mesmo mecanismo que produz a cultura pop e o entretenimento em massa. - Joseph Health e Andrew Potter " Nation of Rebels.
As relações de desgosto entre o que é cult e o que é de massa não têm nada a ver com os prós e contras de cada estilo musical, filme, livro e etc... Na verdade, trata-se da tentativa de impor o seu como melhor intelectualmente, mais refinado, inteligente .Em suma, é a disputa por status da qual mencionei antes.Agora que entendemos que isso não passa de uma bobagem, que tal pensar melhor na hora de compartilhar uma dessas imagens vamos parar e pensar que aquilo que não gostamos pode sim ser cultura.

#Cheguei

Mas o que um moleque de 17 anos tem a acrescentar na minha vida? Há muito penso em criar um blog, por vezes cheguei a começar a fazer posts e afins, mas nunca terminei. Não sei exatamente porquê, mas sinto necessidade em falar, escrever e talvez seja esse o motivo de ter ido para o twitter, ou de escolher o jornalismo e até mesmo de criar um blog e de não gostar do Facebook. Digamos que o blog será uma extensão da minha cabeça, droga, falarei de tudo um pouco, eu acho. Não esperem muita constância, tô na escola ainda.